Skip to content
Como transformar dados em informação útil para minha empresa

Aprenda a transformar os dados em informação útil

Transformar os dados em informação é essencial para melhorar as decisões estratégicas da sua empresa. Afinal de contas, não basta apenas coletar os dados, é preciso passar por um processo de tratamento, com isso transformamos os dados em informação, tornando-os úteis.

Essas informações vindas de dados geram estratégias e podem ser usadas por empresas de todos os setores. 

Vamos conferir agora como transformar os dados em informação e torná-los uma ferramenta de negócios.

 

Qual a importância de transformar dados em informação?

O famoso termo ‘big data’, se refere a dados e não a informação. A quantidade de dados existente é enorme, mas somente ao transformar esses dados em informação que eles podem ser usados em seu negócio. 

Para que isso aconteça, é necessário a ajuda de profissionais com expertise suficiente para processar esses dados, transformando-as em inteligência de negócio. 

De acordo com uma pesquisa realizada pela ASG Technologies, 45% dos entrevistados afirmaram que a sua empresa não aproveita o potencial dos dados que obtém. 38% afirmaram que a maioria dos seus dados são “dark data”, ou seja, a maioria dos dados não são usados para gerar insights ou auxiliar tomadas de decisões; 

Transformar dados em informação é lidar com a crescente do big data, atribuindo sentido e valor a esses dados e ajudando a sua organização a ser mais estratégica e competitiva no mercado. Esse processo de coleta e processamento de dados se chama business intelligence, e ele é responsável por dar suporte a gestão da sua empresa. 

Esta área do business intelligence está se tornando cada vez mais importante nas empresas, já que ajuda aos gestores a embasarem as suas decisões de negócio, diminuindo os riscos e evitando possíveis falhas.

 

Como os dados podem ser obtidos?

Os dados podem ser obtidos em absolutamente todos os lugares. Vivemos em um mundo extremamente conectado à internet, sendo assim, qualquer atividade, desde uma corrida até navegar nas redes sociais é capaz de gerar uma quantidade absurda de dados. 

Mas é preciso saber onde encontrar esses dados. 

Às empresas que estão interessadas na coleta de dados, contam com ferramentas que coletam os dados e os disponibilizam em forma de gráficos e relatórios.

Ou seja, já os transformam em informações, algo que pode ser usado por sua empresa de forma estratégica. Mas você também pode coletar outros tipos de dados primários e secundários. Confira abaixo algumas das ferramentas que a sua empresa pode usar para a coleta de dados/informação. 

 

Ferramentas de analytics

Esse tipo de ferramenta coleta dados de acordo com as atividades dos usuários, para que você possa entender como os usuários interagem com seus canais e estratégias. 

É o caso do Google Analytics, que coleta dados de usuários que usam sites, ou do Instagram Insights que coleta os dados dos usuários da rede. 

Você também pode coletar dados que não são dos seus canais, em ferramentas como SEMrush e SimilarWeb, para fazer análises de concorrentes.

 

Ferramentas de gestão

Já essas ferramentas, geralmente, incluem análises com relatórios gerenciais, para que você controle suas atividades e mantenha um histórico de desempenho. 

Uma ferramenta de CRM, por exemplo, irá gerar dados de acordo com o perfil e comportamento dos seus clientes, já uma ferramenta de ERP irá informar o histórico de vendas e faturamento da sua empresa, auxiliando na gestão financeira. 

 

Pesquisas de mercado

As pesquisas de mercado tem o objetivo de entender a realidade do lado de fora da empresa, para assim, traçar estratégias objetivas. Com ela, você pode coletar dados de diferentes públicos como clientes, fornecedores, consumidores e até concorrentes.

Essas pesquisas de mercado podem ser feitas por meio de entrevistas, questionários e grupos focais, caso a ideia seja a coleta de dados primários. Você pode também realizar uma pesquisa de satisfação para coletar feedback dos clientes sobre a experiência com a sua empresa ou produto.

 

Relatórios e estudos de terceiros

Os relatórios e estudos de terceiro são uma outra forma de pesquisa, onde trabalhamos com dados secundários que já foram coletados e processados por terceiros. 

Nesses casos, a sua empresa irá coletar esses dados, já processados, e aplicar ao contexto da sua empresa. 

Para isso, você pode consultar fontes, como:

  • trabalhos acadêmicos;
  • artigos científicos;
  • relatórios de governos;
  • estudos de empresas;
  • institutos de pesquisa;
  • jornais e revistas especializadas.

 

Mas o que a minha empresa deve fazer para transformar dados em informações?

Agora que você já sabe como conseguir os dados que precisa, vamos entender melhor como transformar esses dados em informação. 

Confira as dicas abaixo e comece a tomar melhores decisões e aprimore as suas estratégias.

 

Desenvolva uma cultura data-driven

Para começar, é preciso mudar a mentalidade e postura da sua empresa. Para isso, é essencial que seja implementada uma cultura data-driven, para que todas as decisões do seu negócio, independente da área, sejam orientadas por dados.

Dessa forma, toda a equipe irá entender, não só a importância dos dados, mas também a importância de usá-los a favor das estratégias. 

 

Treine gestores e equipes para utilizar corretamente os dados

A sua equipe não pode ser uma barreira, treine-a para que aproveite todo o potencial dos dados e da cultura data-driven. 

Esse tipo de aprendizado requer treinamentos e cursos sobre big data, coleta, tratamento, processamento e análise de dados. 

É importante que esse tipo de treinamento não seja focado na diretoria, mas englobe os gestores e funcionários da empresa. 

 

Atente-se para a qualidade dos dados

É necessário ter dados de qualidade, para que os mesmos gerem informações de qualidade que irão embasar uma boa e assertiva tomada de decisão. 

Data Quality (ou qualidade de dados) é o processo que avalia e aprimora o nível de precisão e confiabilidade dos dados coletados pelas empresas. 

Eles precisam ser coletados de forma pensada e planejada, para que reportem a realidade. Essa coleta também precisa ser legal e autorizada pelos usuários, de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Caso a coleta de dados seja feita sem a autorização dos usuários, a empresa pode levar diversas multas por infringir a lei. 

 

Defina objetivos para a coleta e o tratamento de dados

Defina os objetivos para a coleta e tratamento de dados antes de começar a coletá-los. Assim, não haverá desperdício de recursos, focando o trabalho somente naqueles dados que serão, de fato, úteis. 

De acordo com a LGPD, a coleta de dados deve ter um propósito legítimo, específico, explícito e informado aos usuários. 

 

Integre as ferramentas de dados

Como já falamos, os dados são capazes de fornecer insights extremamente valiosos para a empresa, porém somente quando combinados, processados e interpretados. 

Por conta disso, integrar uma ferramenta de dados é essencial para transformar esses dados em informação e torná-los valiosos para a empresa. 

 

Crie análises e visualizações para identificar padrões

Ferramentas como o Google Data Studio tem o propósito de ajudar a potencializar o reconhecimento de padrões que os olhos humanos não são capazes de reconhecer. 

Essas ferramentas de data visualization são ótimas para identificar tendências e gerar informações inteligentes sobre o mercado. 

 

Seguindo essas dicas você irá captar, processar e transformar os dados em informações de forma a conseguir muitos insights, tornando a sua empresa muito mais estratégica e assertiva.
Conte com a A.R.Phoenix para te ajudar no processo de transformação digital e crie estratégias baseadas em dados.

Continue sua leitura!

Por que implementar um software de gestão de projetos na empresa?

Por que implementar um software de gestão de projetos na empresa?

A gestão de projetos envolve uma série de atividades complexas que demandam atenção e coordenação na busca da eficiência e organização. No contexto corporativo, a utilização de um software de…
Projetos blindados: Gerenciamento de riscos em projetos

Projetos blindados: Gerenciamento de riscos em projetos

O gerenciamento de riscos deve ser uma prática contínua para assegurar o sucesso de qualquer projeto. Ele é a sua armadura protetora contra imprevistos. Envolve a identificação, análise e mitigação…
8 estratégias eficazes para a Gestão de Projetos

8 estratégias eficazes para a Gestão de Projetos

O gerenciamento de projetos é uma disciplina complexa que vai além da compreensão de definições, reconhecer benefícios  e desafios. Para alcançar o sucesso, é fundamental implementar estratégias eficazes que guiem…

Planejamento

O planejamento do sprint é um evento no scrum que inicia o sprint.

O objetivo desse planejamento é definir o que pode ser entregue no sprint e como esse trabalho vai ser alcançado.

O planejamento do sprint é feito em colaboração com toda a equipe Scrum.

Desenvolvimento

Desenvolvemos seu projeto em seu ambiente ou em nossas instalações, com profissionais sob sua gestão, sob a nossa, ou compartilhada, com o uso do Outsourcing.

Todo o acompanhamento ocorre a partir de metodologias, frameworks e ferramentas de gestão participativa no desenvolvimento da solução.

A partir deste processo, temos a versão Beta para testes.

Nesta etapa, realizamos a documentação das soluções, inclusive as já existentes.

As entregas são sempre acompanhadas de descritivos funcionais e técnicos, possibilitando a compreensão da solução e sua divulgação.

Homologação

Nossos analistas de qualidade agregam valor final à sua solução, garantindo a superação do resultado esperado.

Produzimos roteiros e evidências de testes que auxiliam no processo de validação do cliente.

É na etapa da homologação, que ocorre a comprovação, pelo cliente e demais partes interessadas, de que o produto resultante do projeto de software atende aos critérios exigidos.

Revisão

Nessa etapa lidaremos com a Sprint Review.

Ou seja, validaremos as entregas da equipe e verificaremos se os critérios estabelecidos no planejamento foram executados.

É o momento de coletar os feedbacks do que a equipe construiu.

Em outras palavras, essa etapa pode ser entendida como uma conversa entre a equipe e as partes interessadas sobre como melhorar o produto.

No fim de cada Sprint, o time se reúne para falar sobre o processo.

Retrospectiva

A etapa de retrospectiva é como um ritual de avaliação do Sprint que acabou de se encerrar.

Nessa reunião, o Time Scrum considera o que foi bom e o que deve ser melhorado, traçando planos de ações em busca da melhoria contínua do processo.